Edição

2010

Março de 2010 - Edição nº 404 - A água é uma questão de vida ou morte - Jornal Mundo Jovem

Edição nº 404 - Março/2010 - Jornal Mundo Jovem

A água é uma questão de vida ou morte

Edição N° 404 Ano 2010 - Março de 2010
  • O poder da mulher na arte e no trabalho
  • Relacionamento afetivo: conhecer para ter com quem contar
  • Páscoa, a festa da vida
  • Qual o papel do conselho de classe e dos pais na escola?
Índice > O conteúdo apresentado a seguir é um resumo da edição impressa. Faça a sua assinatura aqui para ter acesso à edição impressa.
Matérias e conteúdo

Vida Saudável

Esportes aquáticos: saúde e diversão p. 2

Pela crescente exposição na mídia, cada vez mais pessoas caem na água para praticar exercícios que melhoram sua condição física e trazem bem-estar. Mas, apesar dos muitos benefícios proporcionados pelos esportes aquáticos, alguns cuidados são essenciais para garantir a segurança e a eficácia da atividade.

Rafael Barbosa Verardi educador físico e professor de natação e polo aquático no Parque Esportivo da PUCRS, Porto Alegre.

Sociologia

Sentidos do trabalho para as mulheres p. 4

Em nosso país o papel social feminino está longe de ser visto por uma ótica igualitária. É bastante corrente a oposição entre o universo da casa (família) e o da rua (trabalho), assimilados, respectivamente, como espaços do "feminino" e do "masculino". Refletir acerca do mundo do trabalho a partir da perspectiva de gênero é uma tarefa difícil.

Valéria Aydos mestre em Antropologia Social e professora de Sociologia e Antropologia Social nas Faculdades Integradas de Taquara (Faccat), Porto Alegre, RS.
Arquivos e links relacionados

Arte e Cultura

O papel feminino na arte p. 5

Uma criação artística é, com certeza, uma forma de comunicação, de transmissão de mensagem, um recurso expressivo que possibilita interagir, mesmo que seja apenas no plano do sentir. A arte expõe as verdades humanas, e é justamente esta franqueza que tem o poder de atrair, perturbar ou encantar.

Lúcia Barcelos escritora, poetisa e integrante da Equipe do Jornal Mundo Jovem.
Arquivos e links relacionados

Juventudes

Relacionamentos S.A.: Como agir no século 21? p. 6

Quando falamos em relacionamentos, pensamos primeiramente no outro. Amizade, namoro, casamento nos remetem a uma parceria, uma "relação", que depende de duas ou mais pessoas, dependendo do caso. Na verdade, na maioria das vezes, esquecemos que os relacionamentos começam conosco.

Cynthia Castiel Menda psicóloga escolar e clínica, mestre em Educação, professora convidada na Faccat e tutora em EAD na UFRGS, Porto Alegre, RS.
  • Sugestões de Leitura:

    - PINTO, Ênio Brito. Sexualidade: um bate-papo com o psicólogo. Editora Paulinas.J.

  • Sugestões de Filme:

    - ABC do Amor, Direção de Mark Levin. 98 min.

Projeto Pedagógico

Ateliê sobre gênero e sexualidade p. 7

Infelizmente, as relações de gênero produzem uma distribuição desigual de autoridade, poder, dominação entre homens e mulheres, gerando preconceito e discriminação que, quando não abordadas na escola, podem continuar fazendo parte de nossos valores.

Mytercia Bezerra da Silva licenciada em Ciências Biológicas, professora de Ciências, especialista em Estratégias Metodológicas em Educação Sexual. Natal, RN. Professores colaboradores Astíages R. Siqueira, Marluce Galdino Cunha e Zoraide Pereira de Araujo da Silva.
Arquivos e links relacionados

Geografia

América Latina: Uma identidade que aponta para o futuro p. 8

A América, por sua posição geográfica, ficou isolada culturalmente dos demais continentes até o século 16. A população foi formada a partir da imigração pelo Alasca e pelas Ilhas do Pacífico Sul. Mas o contato cultural foi suspenso por volta de quatro mil anos. O contato foi retomado pelos Vikings no século 12 e de forma brutal pelos europeus ocidentais que aportaram no continente no século 16.

Marcos Cordiolli historiador, educador e produtor de cinema, Curitiba, PR e do Núcleo de Estudantes Negras e Negros.

História

O atraso da industrialização no Brasil p. 9

Enquanto em outros países a revolução industrial era implantada a todo vapor, a economia brasileira, com seu modelo agrário-exportador, continuava vendendo matérias-primas e produtos agrícolas. Como afirma Roland Corbisier, produzir matéria-prima "é produzir o não-ser. Importar o produto acabado é importar o ser, a forma, que encarna e reflete a cosmovisão daqueles que a produziram".

Osvaldo Biz jornalista e professor, autor do livro Participação Política, distribuído pelo Mundo Jovem. Porto Alegre, RS.

Realidade Brasileira

Uma economia popular, solidária e participativa p. 10

A economia não pode continuar longe da vida das pessoas. É preciso que ela ocupe um lugar central em nossas vidas, através de ações e iniciativas que promovam a inclusão social. Os depoimentos que seguem trazem um pouco do que os protagonistas da economia solidária realizam em diversos lugares do Brasil.

Joana D'Arc Aguiar de Souza, Daniel Baioto e Rafaelle Castro educadora e sociólogos.

Política e Cidadania

O que são e para que servem as políticas sociais? p. 11

Esse assunto é muito polêmico, vem acompanhando nossa história política há vários séculos e agora faz parte da agenda mundial: como deve agir o Estado com respeito aos pobres, aos que sofrem? Para entender bem esse problema temos de começar bem de longe e devagar, passo a passo.

Pedrinho A. Guareschi Professor e pesquisador da UFRGS, autor dos livros Sociologia Crítica e Psicologia Social Crítica.

Ecologia

Um grito em defesa da água p. 12 e 13

Todos concordam que a água é tão indispensável para nossas vidas quanto o ar que respiramos. Apesar de sua importância, a água não recebe o cuidado que merece, nem no nível pessoal, no desperdício que não evitamos, nem no nível social, do acesso e distribuição justa da água para todos. Roberto Malvezzi (Gogó), defende a água como um direito humano fundamental.

Leia mais > Roberto Malvezzi (Gogó) Músico e escritor de Juazeiro, BA, coordenador nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Ciências Naturais

Ciência, poder e ideologia p. 14

Se procurarmos conceituar ou definir ciência, encontraremos diversas possibilidades divergentes. De maneira ampla, alguns autores consideram a ciência (palavra derivada do latim scientia, que significa conhecimento) como o conjunto de saberes elaborados e sistematizados pela cultura humana durante a história das sociedades.

Juliana Pereira Neves mestre em Educação para a Ciência, UNESP, Bauru, SP. Marina Battistetti Festozo mestre em Educação para a Ciência, UNESP, Bauru, SP.
  • Sugestões de Leitura:

    - LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação, Editora EPU, 1986.
    - DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência, Editora Atlas, 1987.
    - SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações, de Demerval Saviani, Editora Autores Associados, 2005.

Tecnologia

Consumo e novas tecnologias. Para quem? p. 15

Numa sociedade capitalista, estar excluído do mercado é estar excluído das condições dignas de vida. Porque as coisas necessárias para uma vida digna você consegue via mercado. A grande pergunta é: por que o sistema econômico no qual vivemos hoje exclui tanta gente das relações econômicas e sociais que passam através do mercado?

Jung Mo Sung professor de Pós-Graduação das Ciências da Religião na Universidade Metodista de São Paulo.
Arquivos e links relacionados

Ensino Religioso

A economia para a vida p. 16

Toda pessoa que nasce é um filho querido de Deus. "Antes de formar-te no ventre de tua mãe, eu o conheci; antes que tu nascesse, eu te conhecia e te consagrei, para ser meu profeta entre as nações" (Jr 1,5). Não importa como nasceu a criança, importa que ela está viva e, se está viva, é pensada e amada por Deus.

Marcos Sandrini padre salesiano e diretor das Faculdades Dom Bosco, em Porto Alegre.

Espiritualidade

A celebração da Páscoa na história de Israel? p. 17

A celebração da Páscoa é uma tradição de mais de quatro mil anos. A Páscoa, palavra vinda da língua acádica pesahu, era a festa da primavera dos pastores no Oriente Próximo. Celebravase na primeira lua cheia da primavera, do hemisfério norte, como a festa da vida que renascia depois do inverno.

Mercedes de Budallés Diéz Biblista, assessora do CEBI, Goiânia, GO.

Filosofia

A Caverna de Platão e as nossas p. 18

O filósofo Platão (427-347 a.C.) nasceu em Atenas, no período de ouro da democracia grega. Seu nome verdadeiro era Arístocles. É o discípulo mais notável de Sócrates (469-399 a.C.). E, pela profundidade e alcance de sua obra, é considerado um dos pilares do pensamento ocidental.

Mauro Sérgio Santos professor de Filosofia, Araguari, MG.

Psicologia

Resolver conflitos sem violência p. 19

No dia-a-dia, vivenciamos várias situações que nos causam estresse, angústia, raiva, tristeza, ódio e impotência. Muitas vezes, não sabemos como lidar com estes fatos que nos causam desconforto e sofrimento. Acabamos reproduzindo a violência sofrida ou nos isolando e não resolvendo o conflito.

Heloísa Arrussul Braga Assistente social, integrante do Gepaz e do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Violências, Ética e Direitos Humanos. Patrícia Krieger Grossi Doutora em Serviço Social, professora na Faculdade de Serviço Social da PUCRS e coordenadora do Grupo de Estudos da Paz (Gepaz)
Arquivos e links relacionados
  • Sugestões de Leitura:

    - ROSEMBERG, Marshall. Comunicação não violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais, Ágora Editora. Disponível para compra no site da editora (www.gruposummus.com.br/agora) ou em lojas do ramo.

Educação

Conselho de classe para quê? p. 20

Este importante instrumento de participação muitas vezes é utilizado como uma ferramenta burocrática. Centrado no corpo docente, pode virar um "jogo" do quem dá mais ou menos, qual é o aluno "bonzinho" ou "quietinho", pouco contribuindo na tomada de decisões sobre o trabalho pedagógico desenvolvido nas escolas no decorrer do ano letivo.

Josenilson Vieira dos Anjos professor especialista em Metodologia no Ensino de História, Diretor Adm. Adjunto do Centro de Ensino Médio Santa Rita de Cássia. Palmas, TO. Leilany Pereira Alves especialista em História do Cotidiano: Brasil, séculos XIX e XX, professora da Rede Mun. de Educação. Palmas, TO.

Pais e Filhos

Entre a família e a escola está a criança p. 21

A educação das crianças e dos jovens tem ocupado as rodas de conversa nas famílias e as reuniões pedagógicas nas escolas. Você já parou para pensar que estes dois territórios tão diferentes têm um desafio em comum? É a construção sintonizada de uma educação que promova a vida.

Isabel Parolin psicopedagoga, autora de diversos livros e consultora institucional, Curitiba, PR. http://www.isabelparolin.com.br

Língua e Literatura

vc tc d ond?: A (nova?) escrita digital p. 22

Oi vm tc? É assim que os jovens se cumprimentam em milhares de salas de bate-papo disponíveis na internet. Para quem não está acostumado a circular por esses ambientes digitais, oi vm tc? (Oi, vamos teclar?) nada mais é do que um convite à interação. Pode causar pavor ou identificação, dependendo do olhar daquele que o observa.

Carla Jeanny Fusca licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) de São José do Rio Preto, SP, onde desenvolve pesquisa de mestrado sobre a abreviação na internet.
  • Atividade:

    1 - Promover um debate em grupos sobre as ideias da autora em relação ao internetês e quanto aos espaços em que se deve usá-lo ou evitá-lo.

    2 - Pedir que os alunos imprimam, no laboratório da escola, trechos de suas conversas em chats ou programas de bate-papo como MSN. A par tir das produções dos alunos, será possível fazer conexões e explicar regras da língua por tuguesa bem como falar da evolução do idioma.

Curtas e Dicas

Pelo prazer de ler p. 23

As crônicas de Artur

  • As crônicas de Artur

    Aproveitando o espírito de eventos e personalidades reais, a ficção histórica é um subgênero que vem ganhando cada vez mais apreciadores nos últimos anos. Um de seus principais representantes é o inglês Bernard Cornwell. Sua extensa obra alcançou o ápice com a trilogia As crônicas de Artur, em que busca reconstruir a figura que deu origem ao mito do Rei Artur, que teria vivido na Britânia (Grã-Bretanha) no século 5. O mago Merlin, a espada Excalibur e os Cavaleiros da Távola Redonda são desmistificados a partir de minuciosa pesquisa histórica. A partir da ótica de um soldado fiel a Artur, o leitor é seduzido por uma narrativa empolgante e rica em detalhes. Outro aspecto interessante é que o autor explica as referências históricas e indica os momentos em que usou a imaginação para preencher as lacunas de fatos não registrados.

    Estes e outros livros do Grupo Editorial Record (www.record.com.br) podem ser adquiridos com desconto na compra direta através do e-mail mdireto@record.com.br ou do telefone (21) 2585-2002. Basta informar que é assinante do jornal Mundo Jovem.

Site e Documentário p. 23

Criança e consumo

  • Criança e consumo

    Para refletir sobre esta questão e suas implicações na família e na sociedade, o Instituto Alana, através do Projeto Criança e Consumo, disponibiliza em seu site materiais de apoio e informações valiosas sobre o impacto do consumismo na vida das crianças. Urgentemente elas precisam sair um pouco da frente das telas, conviver mais com a família e com os amigos, ler e brincar mais.

    O site também dá acesso ao documentário Criança, a alma do negócio, um trabalho muito rico que trata de como o bombardeio das propagandas influencia o universo infantil.

    Acesse: www.alana.org.br

Viver sem violência, um direito das mulheres p. 23

Este é um desejo e também um direito das mulheres assegurado pela Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06). Por que esse nome? Maria da Penha viveu na pele a violência doméstica, resultando em lesões irreversíveis. Mas ela transformou dor em luta, tragédia em solidariedade. Cabe a todos nós o compromisso de divulgar e lutar para garantir esse direito. Veja mais informações no site do Mundo Jovem, na seção datas comemorativas - Dia da Mulher.

Arquivos e links relacionados
Receba a newsletter Mundo jovem Fechar
Solicitação enviada Fechar
Índice Fechar
A água é uma questão de vida ou morte Edição N° 404 Ano 2010 - Março de 2010
    • Vida Saudável
    • Esportes aquáticos: saúde e diversão (p. 2)
    • Sociologia
    • Sentidos do trabalho para as mulheres (p. 4)
    • Arte e Cultura
    • O papel feminino na arte (p. 5)
    • Juventudes
    • Relacionamentos S.A.: Como agir no século 21? (p. 6)
    • Projeto Pedagógico
    • Ateliê sobre gênero e sexualidade (p. 7)
    • Geografia
    • América Latina: Uma identidade que aponta para o futuro (p. 8)
    • História
    • O atraso da industrialização no Brasil (p. 9)
    • Realidade Brasileira
    • Uma economia popular, solidária e participativa (p. 10)
    • Política e Cidadania
    • O que são e para que servem as políticas sociais? (p. 11)
    • Ecologia
    • Um grito em defesa da água (p. 12-13)
    • Ciências Naturais
    • Ciência, poder e ideologia (p. 14)
    • Tecnologia
    • Consumo e novas tecnologias. Para quem? (p. 15)
    • Ensino Religioso
    • A economia para a vida (p. 16)
    • Espiritualidade
    • A celebração da Páscoa na história de Israel (p. 17)
    • Filosofia
    • A Caverna de Platão e as nossas (p. 18)
    • Psicologia
    • Resolver conflitos sem violência (p. 19)
    • Educação
    • Conselho de classe para quê? (p. 20)
    • Pais e Filhos
    • Entre a família e a escola está a criança (p. 21)
    • Língua e Literatura
    • Vc tc d ond?: A (nova?) escrita digital (p. 22)
    • Curtas e Dicas
    • Curtas e Dicas (p. 23)
Envie para seu amigo Fechar

Você pode compartilhar o conteúdo que estava lendo com amigos, familiares ou colegas. Basta preencher os campos abaixo!