As contribuições da didática na formação do profissional da educação

Artigo tem como objetivo apresentar uma análise reflexiva em torno da didática e sua influência na formação dos profissionais da educação.

O artigo tem como objetivo apresentar uma análise reflexiva em torno da didática e sua influência na formação dos profissionais da educação. Aborda-se a etimologia da palavra didática, o contexto histórico, conceitos e suas contribuições para o educador.

Antes de começarmos uma reflexão e análise acerca das contribuições da didática para a formação dos profissionais da educação, é importante observar alguns pontos essenciais sobre a didática, esclarecendo o conceito atual que temos dela segundo a análise etimológica: o contexto histórico em que prevaleceram determinados conceitos da problemática educacional e sua relevância para o ensino.

A palavra “didática” se origina do termo grego didaskw (que significa ‘expor claramente’, ‘demonstrar’, ‘ensinar’, ‘instruir’). Em primeira instância, este sentido mais originário corresponde aproximadamente a tudo aquilo que é “próprio para o ensino”.

A didática foi concebida como base de uma reforma educacional importante pela primeira vez no século 17, com João Amós Comenius, em sua obra Didática Magna. Nesta época ele havia observado que a educação se dava de maneira muito espontânea, permeada de puro praticismo, não havia sistematização, organização ou planejamento. Com o objetivo de organizar e sistematizar a educação, Comenius escreveu a Didática Magna, que pretendia estabelecer os fundamentos da “arte universal de ensinar tudo a todos”, privilegiando sobretudo o professor, o método e o conteúdo.

Nota-se aqui que desde o seu surgimento a didática torna-se fundamento da prática educativa, constituindo-se num conjunto de conhecimentos que interliga a teoria e prática educativa.

Segundo Libâneo (2002), a didática é uma ponte mediadora entre a teoria e a prática docente. E ela que interliga as bases teóricas à ação prática, evitando o espontaneísmo e fornecendo aos profissionais da educação uma práxis educativa sólida.

A didática tem como objeto de estudo o processo de aprendizagem na sua globalidade. Sendo assim, está inteiramente ligada à teoria da educação, às teorias da organização escolar, às teorias do conhecimento e à psicologia da educação. Esse suporte teórico é a base da prática educativa. Neste sentido, a didática torna-se o principal ramo de estudos da pedagogia, pois é necessário dominar bem todas as teorias para que haja uma boa prática educativa. Assim, o educador dispõe de recursos teóricos para organizar e articular o processo de ensino e aprendizagem.

Por sua vez, a didática investiga os fundamentos, condições e modos de realização do ensino, ocupa-se dos métodos, conteúdos e organização da aula. Ela oferece embasamento para a relação ensino-aprendizagem, eliminando a dicotomia entre teoria e prática.

Nota-se que a problemática que permeia a educação em torno da didática consiste na dificuldade de mediar conhecimento prático e teórico, na medida em que muitos educadores apresentam uma concepção fragmentada e ambígua desta interação, chegando ao ponto de dissociá-las. Essa separação entre teoria e prática impossibilita os profissionais da educação de articular a teoria em proveito da prática, pois uma subsidia a outra. Como resultado dessa separação, a prática educativa tende a reduzir-se ao extremo do praticismo. Nesse sentido, a didática visa a contribuir para a superação dessa dificuldade, proporcionando ao profissional da educação embasamento teórico-prático.

Os profissionais da educação precisam ter um pleno “domínio das bases teóricas científicas e tecnológicas, e sua articulação com as exigências concretas do ensino” (LIBÂNEO, 2002, p. 28), pois é através desse domínio que ele poderá estar revendo, analisando e aprimorando sua prática educativa.

A prática educativa não pode ocorrer de maneira espontânea, sem planejamento, metas e instrumentos, baseando-se no puro praticismo como foi mencionado anteriormente. Ela deve estabelecer objetivos, que devem ser atingidos utilizando-se da didática, que certamente facilitará o caminho a ser trilhado segundo meios viáveis e de acordo com cada realidade educacional, em proveito da ideia de ser humano que se deseja formar, de acordo com a sociedade em que ele está inserido, pois “a didática não se limita ao fazer, só ação prática, mas também se vincula às demais instâncias e aspectos da educação formal” (LIBÂNEO, 2002, p. 144).

Partindo dessa linha de raciocínio, percebe-se que a didática contribui de maneira significativa para a fundamentação da prática educativa. E ela que fornece aos profissionais da educação a necessidade inescapável de fazer convergir a teoria em proveito da prática. No processo de formação a didática opera entre conhecimento teórico-científico e técnico-prático; é como uma ponte que interliga a prática e a teoria. Sendo assim, o profissional da educação no plano da sua formação estuda disciplinas que se articulam e se organizam entre si, para que os educadores possam sustentar sua práxis na constante reflexão acerca de suas práticas e de seus conhecimentos teóricos.

Portanto, conclui-se que as contribuições da didática para os profissionais de educação constitui-se em eliminar a dicotomia que há entre a teoria e a prática. E para eliminar tal separação a didática se converte numa base teórico-prática que permite aos profissionais da educação sustentar uma compreensão mais substancial dos princípios, condições e meios de direção e organização do ensino pelos quais se asseguram a mediação docente de objetivos, conteúdos, métodos, em vista da efetivação da assimilação consciente de conhecimentos (LIBÂNEO, 2002, p. 144).

Portanto é a didática que fundamenta a ação docente; é através da didática que a teoria e a prática se consolidam de forma viável e eficaz pois ela se ocupa do processo de ensino nas várias dimensões, não se restringindo à educação escolar, mas investiga e orienta a formação do educador na sua totalidade.

Elaine B. Rodrigues e Ilda Neta S. Almeida Trindade - GO.

Referências Bibliográficas:

  • - BOSSA, Sueli de Paula. Fundamentos da psicopedagogia. In: A psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. Porto Alegre, Artes médicas sul, 1994.
    - COMENIUS, João Amos. (1996). Didática magna. São Paulo: Martins Fontes.
    - CUNHA, Sueli de Paula. Psicopedagogia - O que é? In: Jornal da psicopedagogia, seção Goiás. Ano. mar-abr, 1995.
    - LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 2000.
    - __________________ Prática educativa, pedagogia e didática. In: Didática. São Paulo: Cortez, 1994.
    - PERES, Maria Regina. Psicopedagogia: aspectos históricos e desafios atuais. In: Revista de educação. PUC Campinas, V. 3, nº 5, p.41-45, nov. 1998.
    - VENDRAMINI, Luis Carlos, Guia para apresentação de trabalhos acadêmicos. Trindade: gráfica carvalho, 2003.

Receba a newsletter Mundo jovem Fechar
Solicitação enviada Fechar
Envie para seu amigo Fechar

Você pode compartilhar o conteúdo que estava lendo com amigos, familiares ou colegas. Basta preencher os campos abaixo!